“Use camisinha!”

Você com certeza já deve ter ouvido ou lido essa frase em algum lugar, principalmente em campanhas de prevenção ao HIV e a outras infecções sexualmente transmissíveis, as chamadas IST’s. Com o surgimento da epidemia de HIV/aids, no início da década de 1980, o uso do preservativo foi popularizado, tornando-se a principal ferramenta de prevenção nesse período que, é preciso lembrar, possuía uma realidade diferente da atual. Hoje em dia a camisinha não é a única forma de prevenção ao HIV. E a gente te explica o porquê.

Em outro artigo refletimos sobre a importância de falarmos abertamente sobre HIV/aids. As pessoas são diferentes, e por isso a forma como a sexualidade é vivenciada também é diferente. Quanto mais conhecemos o nosso corpo, mais sabemos o que nos dá prazer. Com isso, mais próximos estaremos de entrar em contato com um tipo de prevenção que melhor se encaixa em nossas vidas. E atualmente existem algumas formas de você se prevenir contra o HIV e outras IST’s.

É o que chamamos de Prevenção Combinada. Promovida pelos órgãos de saúde, é uma estratégia que consiste no uso combinado de diferentes meios preventivos, a partir da realidade e das especificidades de cada pessoa. Dito de outro modo, a prevenção combinada permite que você escolha as formas de prevenção que melhor se encaixem na sua vivência. Por isso dizemos que a prevenção vai além da camisinha.

Quais são esses meios preventivos? De modo geral, os meios preventivos disponíveis na Prevenção Combinada são: testagem regular para o HIV e outras IST’s e hepatites virais; diagnóstico e tratamento das pessoas com IST e HIV; tratamento para todas as pessoas vivendo com HIV/aids; Profilaxia Pós-Exposição (PEP); Profilaxia Pré-Exposição (PrEP); preservativo externo, interno e gel lubrificante; vacinação para o hepatite B e o HPV (papiloma vírus humano); redução de danos no uso de drogas; e prevenção da transmissão vertical (isto é, quando o HIV é transmitido durante a gravidez, da pessoa gestante para o bebê, seja no parto ou na amamentação). Clicando aqui você conhece cada um deles, com acesso a links informativos.

Importante ressaltar que esses meios podem ser usados como você achar melhor. Quanto mais você combinar esses meios preventivos, mais segurança terá em relação às infecções sexualmente transmissíveis. Você pode, por exemplo, combinar o uso de preservativo interno ou externo com a PrEP e as testagens regulares. Tomou uns drinks a mais e se esqueceu de usar a camisinha? Tenha ajuda da PEP e das testagens, e nos próximos rolês faça uso das estratégias de redução de danos. Há várias possibilidades e você consegue encontrá-las quando reconhece seus próprios desejos e vulnerabilidades. Por isso dizemos e repetimos: é fundamental que o sexo e a sexualidade sejam discutidos e refletidos de maneira aberta, em todas as instâncias da vida, pois só assim os tabus que cercam o assunto poderão ser dissolvidos.

Quando deixamos de falar sobre sexo, e de nos reconhecer como sujeitos vulneráveis às incertezas do mundo, nos fechamos em um quarto escuro cheio de segredos. Com isso, deixamos de refletir e de obter informações sobre o HIV/aids e outras IST’s; nos trancamos em culpas e medos desnecessários. Podemos e devemos vivenciar a sexualidade de maneira leve e segura. E saber que a prevenção vai além da camisinha ajuda a encontrar um meio preventivo que mais faz sentido para o seu jeito de viver. Afinal de contas, a prevenção não precisa ser uma rua sem saída, fechada por um muro escrito “Use camisinha!”, em vermelho.


O projeto Indetectável: deuses morrem porque se renovam foi realizado com apoio do EDITAL DOS COLETIVOS – 1ª EDIÇÃO, da Coordenadoria de IST/Aids da Cidade de São Paulo.

Categorias: Artigo